#1 Coisas a se pensar - Legalização da maconha

#1 Coisas a se pensar - Legalização da maconha



O nosso primeiro assunto já vem sido discutido a muito tempo. Algo que veio de nossos avós, passou pelos nossos pais e hoje chega a nós com uma cultura de entendimento muito ruim sobre o assunto.

Usada pelos índios e conhecida como cachimbo da paz. Adotada como marca registrada dos jamaicanos, tendo como ícone Bom Marley. Explorada medicinalmente pela ciência e banalizada pela sociedade. Você já deve ter percebido sobre o que vamos falar.
Tá bom, tá bom.

Também não sei pra que tanto drama pra anunciar que o assunto é sobre a MACONHA.
"Mas o que é de se pensar nisso, PJ?

Isso é uma droga. Não pode ser liberada."
Você deve estar se questionando assim.
Bom. Por ser droga não vejo problema.

O álcool e o cigarro também são e estão por aí livremente. E fazem um mal pior do que a maconha.

Aliás, você que frequenta muito a farmácia, saiba que os medicamentos que você compra também são drogas. Por isso precisam de prescrição médica e as farmácias são chamadas de drogarias.
Mas vamos botar a cuca pra funcionar.
Veja bem.

A maconha é uma fonte de lucro dos traficantes, e a sua venda a pequenos usuários fornecem uma boa parte do dinheiro que eles usam para adquirir armamento.

O efeito da maconha no organismo do usuário é de relaxamento, morgado, sonolência, larica, paz, entre outros efeitos. Diz-se que a maconha mata neurônios, mas como dizia Bob Marley: "Neurônios você tem milhões, pulmões você tem apenas dois."

A polícia perde tempo com usuários de maconha, buscando encontrar algo que leve ao traficante, e nisso outros crimes de maior importância acabam passando batido.

Com a liberação da maconha o poder do traficante cairá. Ao invés de irem comprar dele, cada um teria seu pé de maconha em casa e ele não levantaria uma boa parte do dinheiro para conseguir armas é outras drogas, pequenos furtos para a compra da droga acabariam, filhos não venderiam mais bens dos pais para comprar a droga. Talvez pelo crack e outras drogas sim, mas aí é outra história.

Usando a maconha em casa, os pais teriam mais controle sobre seus filhos. Entre outros benefícios.

Mas aí você pensa: "Mas cara, a cidade vai virar fumaça. Aquele cheiro é horrível. Vai incomodar muita gente. Não vai dar certo."

Calma brother. Olha só.

Para controlar o uso da maconha o governo poderia impor regras, como o uso limitado a locais não públicos. Poderiam usar a erva apenas em lugares privados, particulares, longe das ruas, da sociedade, respeitando o direito do cidadão e a ordem pública. O uso caseiro, em locais afastados onde não ofereça risco ao meio ambiente, ou até, quem sabe, locais criados pelo governo próprio para o consumo. E quem descumprisse a regra sofreria punições.

Seria, assim, uma discussão a menos pra sociedade, uma dor de cabeça a menos pra polícia e a felicidade dos usuários. Fazendo, assim, uma sociedade mais compreensível, pacífica e com espaço para tratar de problemas mais importantes do que este.
Pense bem. Esse assunto não é algo para se julgar sem pensar sobre.

É mais uma coisa a se pensar.
Insegurança

Insegurança

E aí galera.
Como vai?.. Tudo bem?..

Vocês por acaso não foram furtados ou assaltados por esses dias não, né?

Então. Eu já não posso dizer a mesma coisa.


A alguns dias eu estava trabalhando normalmente com minhas locuções em porta de loja, pra poder fazer aquela renda extra do mês. Eu havia estacionado minha querida bicicleta a uns cinco (5) metros de onde eu estava, e a todo momento eu falava sobre as promoções da loja e olhava pra minha querida bicicleta, uma TOTEM branca, pra ver se estava tudo bem.

Me ausentei por alguns segundos para poder beber água, quando voltei para a porta ela havia sumido.
No ato não fiquei abalado. Olhei para os lados, fui a esquina. Pensei em todas as alternativas cabíveis. Quando dei por fé que realmente tinha sido furtada meu semblante descaiu.

Assista o meu desabafo no vídeo abaixo:



Dias após minha querida Bernadete ter sido raptada, fiquei sabendo que roubaram a moto do irmão de uma amiga minha, e logo em seguida fiquei sabendo que roubaram o carro de um amigo de outro amigo meu.

Ainda sofrendo as dores da saudade de minha bike, uma semana após ela ter sido roubada, eu estava no meu trabalho de saída para um evento da cidade e fico sabendo pelo WhatsApp que haviam roubado o celular e as chaves da casa de uma amigona minha naquele exato momento.

Pensei em todas as possibilidades: Um assalto com dois caras em uma moto, toca ninja e um 38 com numeração raspada, com toda aquela cena de "passa tudo que tem". Fiquei preocupado com minha amiga e fui falar com ela, ver como estava, se tava machucada e tal... Coisas de amigo preocupado.

Me surpreendi quando ela disse como foi o assalto.

Ela disse que "estava indo caminhando sentido ao bosque, com o celular em sua mão, quando um filho da puta, fdp, corno, viado vagabundo, trouxa, babaca, fi do cão, desgraçado indivíduo em uma possível CB 300 roubada, desarmado, camisa branca roubada de algum varal, tênis caro roubado, passou por ela, deu meia volta em um poste e pegou o celular e a chave de sua mão e empreendeu fuga do local.

O que mais me fascina nessa situação da minha amiga é a tranquilidade com que o bandido agiu, porque pelo que eu percebi ele não desceu da moto pra praticar o roubo. E ainda nos ensina a velha lição de que "todo cuidado é pouco".

Mas falando sério agora minha gente.
Onde está nossa liberdade de poder sair sem ter medo de perder aquilo que conquistamos com nosso suor?

Se você parar pra pensar, você vai perceber que os bandidos estão cada vez mais sem medo de praticar seus crimes. Mas porque?

Porque sabem que se forem presos vão ter mordomia lá dentro, comida boa, lugar pra dormir e logo vão sair. 

Sair pra que? .. Pra viver diferente? .. Para se reabilitar?

NÃO. Mas sim pra praticarem mais roubos.

E de que valeu seu tempo na cadeia? .. MEEEERDDAAAAA NENHUMAAAA!

Lembram do rapaz que teve tatuado na testa "Sou ladrão e vacilão"?
Me lembro que teve uma mobilização pra conseguirem uma quantia em dinheiro pra retirarem aquela tatuagem. Mas alguém se mobiliza pra ajudar a família que teve o pai morto por um assaltante?.. Existe mobilização pra recuperar o carro da pessoa que sonhou, lutou e o conquistou?
Alguém vai se mobilizar pra comprar uma nova bicicleta pra mim ou um celular pra minha amiga?

Os valores estão invertidos.

Precisamos de lideres que coloquem leis que deixem os ladrões com medo de serem presos. Que façam das cadeias um lugar onde eles realmente repensem em seus atos. Não uma colônia de férias pra bandido.

Será que temos que cobrar da polícia?.. ou da administração da nossa cidade?

De quem temos que cobrar algo?

Ninguém sabe!
Ficamos sem saber a quem buscar alternativas, a quem exigir o direito de ir e vir e o direito de estar.

E quando reagimos a um assalto?
Se dermos azar, morremos.
Se dermos sorte, matamos o assaltante, porém, vamos presos por causa dos direitos humanos.
Será que isso é sorte mesmo?

E como assim direitos humanos?.. e os meus direitos? ...

Meu amigo, o mundo está estranho. O mundo está insano.


Se lembra do caso da imagem acima?
Vou lembrar você rapidinho...

Esse cidadão aí assaltou uma pessoa e sua moto, e a pessoa estava filmando tudo por uma câmera gopro no capacete. Antes de conseguir fugir, um PM que passava por ali matou o indivíduo.

Detalhe: Fiquei sabendo por fontes da mídia que o PM que matou o bandido teve que pagar cesta básica para a família do bandido morto.

Você acredita nisso?

Onde está a razão nisso?.. Houve justiça aí?

Desculpa pessoa. Não vou comentar porque isso me dá um bug no cérebro.

Enquanto isso, nós que trabalhamos pra viver justamente, honestamente, somos prisioneiros do medo, da criminalidade, da falta de segurança.
Hoje não podemos mais ficar em frente de casa sem o medo de ser assaltado, não podemos voltar tranquilamente pra casa após um dia cansativo de trabalho sem o medo de perder o celular ou até mesmo a vida.

Paulo disse que "somos entregues a morte todo dia por amor de Cristo".

Mas o crime não respeita cor, raça, religião, crença, classe social.

A frase que reflete nosso dia a dia é que "somos entregues a morte todo dia para podermos viver".

O medo da criminalidade não nos permite nem viver, apenas sobreviver.
Temos medo de sair com nossos filhos para tomar um sorvete, sair com a família para um dia no bosque, pois quando não nos assaltam eles roubam nossas casas.

Logo Ouro Preto do Oeste que era tão pacata, calma. Não víamos isso aqui.

Creio que com o aumento do consumo de drogas na cidade, com essa modinha destrutiva rodando pela nossa cidade, os viciados ficam mais agressivos com seus corpos alucinados querendo usar a maldita droga. E isso aumenta a taxa de roubo, pois eles roubam pra vender ou trocar em drogas.

Quer um exemplo financeiro pequeno perto do estrago que fazem:
Minha bicicleta custa hoje no mercado, cerca de R$ 1.200,00. No máximo, um drogado deve tê-la vendido por R$ 50,00 para poder consumir sua droga.

E você e eu, cidadão de bem, trabalhador, que paga seus impostos, que estava pagando seu bem parcelado pelo sonho de usufruir dele, tem-lo roubado por uma pessoa que talvez teve a mesma oportunidade que você, mas preferiu se entregar às suas fraquezas e cair no mundo da droga. Ou por um vagabundo qualquer que queira apenas lesar a vida das pessoas, tentando enriquecer no mundo do crime.

O destino desse tipo de pessoa, em algumas cidades que eu conheço, é o fundo dos rios como alimento para os peixes ou mesmo em cemitérios vestindo um paletó de madeira.

Somos entregues a sorte diária. Estamos vivendo a frase de Hamlet, com uma pequena palavra acrescentada: "Ser ou não ser 'assaltado'?, eis a questão."

Se você leu até aqui, deixe sua opinião nos comentários abaixo.

Compartilhe nas redes sociais, curta nossa página no Facebook.

Se inscreva também no nosso canal no youtube.

Fumaça !

Fumaça !

E aí galera, tudo joinha?
Vamos pra mais um pensamento ou crítica!?

Ouro Preto é sim uma cidade muito bonita, bem cuidada, e está se encaminhando para ser uma "estância turística". Por mais que nos falte o trabalho, temos que concordar que a cidade é muito bela, cuidada e organizada.
Porém, existe algo que me incomoda, não só a mim, mas a muitas pessoas.

A letra do hino de Rondônia diz que o "nosso céu se faz moldura", por ser muito bonito, límpido, e encontramos também a referência ao lindo céu da nação no hino nacional. 

Mas como ia dizendo, algo me incomoda e muito, e como você deve ter percebido, tem a ver com o céu.

Deixa eu parar de enrolação, né!?


É A FUMAÇA, GALERA!!!

"- Nossa PJ, tu tá incomodado com uma fumacinha?"

Sim amigo (a), eu estou. E vou explicar o porque.

Eu, particularmente, tenho problemas respiratórios e a fumaça me deixa com muita falta de ar. Agora imagine quantas pessoas temos na cidade com os mesmos problemas que eu, ou até piores.

Então FUMAÇA é sim uma questão de saúde.

Outro ponto é a perturbação pública, e vou dizer como acontece:

Uma pessoa acaba de lavar suas roupas. Elas estão limpas e cheirosas, e de repente um vizinho ou alguém por perto resolve colocar fogo no lixo do quintal...

ATENÇÃO MEUS AMIGOS: Fumaça não respeita muros e cercas.

Vamos para outro exemplo:

Uma pessoa se arruma lindamente como nunca, coloca a melhor roupa, o melhor sapato e o melhor perfume. Ela está indo para uma entrevista de emprego, para um encontro, para uma reunião importante, igreja ou festa, que seja.
Ela não tem carro ou dinheiro para o táxi, mas tem uma moto, uma bicicleta ou quem sabe resolva ir a pé mesmo.

Porém, ela olha para a rua e vê que a fumaça tomou toda a área, aquela fumaça cinza, fedida, não tem como fugir. Mas de qualquer jeito essa pessoa precisa ir.
Infelizmente chegará ao seu destino cheirando a fumaça, ops... fedendo a fumaça.

Sem falar que a fumaça atrapalha o trânsito, podendo causar acidentes.

Agora vamos para a questão ambiental!

É LEI !!!

Lei n 9.605, de 12 de fevereiro de 1998.
Da Poluição e outros Crimes Ambientais
Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora:
Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.
§ 1º Se o crime é culposo:
Pena - detenção, de seis meses a um ano, e multa.
§ 2º Se o crime:
Queimar lixo em perímetro urbano é crime. Sujeito a multa e reclusão.

Sem pensar no fato de que somos uma "estância turística".
Não fica bonito pra nossa imagem.

Aí você diz:
"- Eu não pedi para colocarem esse título na nossa cidade, PJ."

Mesmo que não fosse, é questão de ética. Mas como somos, temos que acatar e respeitar.

Pois a fiscalização pode te pegar e te mult... Aliás, onde está a fiscalização que não faz nada?
Será que temos fiscais?.. 
ACOOOORDDEEEMMMM!!! Saiam do ar-condicionado. Vamos pra rua, vamos trabalhar.
Por que tá cheio de foco de incêndio e fumaça em todo o canto da cidade.

Se tem lei é pra cumprir. E todos precisamos compreender e cooperar.

Como desfazer do lixo e das folhas ou tudo que queimamos no quintal?

R: Deixando de ser mão de vaca. Desculpa kkkkk Não aguentei kkkk
Mas é sério.. Tá cheio de carroceiro e jeriqueiro por aí. Não vai falir se pagar a eles para levar o lixo para o lixão. Melhor 40 reais no frete do que alguns milhares de reais em multas.

Outra opção é juntar tudo em sacos ou comprar sacos bags ou big bags. Vou deixar algumas fotos de bags pra vocês.



Obrigado pra você que leu até aqui.
Compartilhe e comente >>> Deixe sua opinião

Cultura da Cidade - Onde está?

Cultura da Cidade - Onde está?

Olá. Tô de volta.
Demorei, mas estou aqui pra comentar mais sobre os assuntos da nossa cidade.

Eu gostaria muito de poder escrever sempre um artigo por semana, ou quem sabe até dois, mas eu não tenho computador próprio e fica difícil pra mim editar meus artigos no trabalho, pela correria que acontece lá.
Mas vou ver se agilizo essa parte, e caso queira me ajudar, criei uma página de contribuição no site. Dá uma passada lá clicando aqui >> CONTRIBUIÇÃO.


Agora vamos ao ponto, destacando o título da postagem: Cultura da Cidade - Onde está?

Recentemente aconteceu em nossa cidade a 2ª edição do Festival do Milho, que aconteceu no bosque municipal. Muito legal com shows, comidas caras derivadas do milho, como: mingau, milho cozido, pamonha, pastel... não, pera... pastel não. Mas tinha lá.
Não pude participar da 1ª edição ano passado pois eu não estava aqui, mas também não iria mudar a vida de ninguém, não é mesmo? .. Não respondam.

Até aí tudo bem, apesar de eu não ver na história Ouro Preto tendo destaque na produção de milho da região. Mas gostei do evento, pois é um evento que tira essa 'paradeira' da nossa cidade.
Ficaria mais cabível fazer uma festa em homenagem ao café, ao cacau ou até ao leite, pois já fomos bem mais notados no estado nessas áreas, sendo a maior bacia leiteira do estado na época de ouro de Ouro Preto.

Veja fotos do evento abaixo (não ficaram legais não):



Então né.
Como eu ia dizendo, gostei da ideia por ser um evento, evento mesmo, mas se homenageássemos o café, cacau ou leite ficaria mais representado pela história. Até porque isso é cultura.
Homenagear aquilo que nos trouxe avanços, aquilo que marcou nossa história, isso sim é representar a cultura do lugar.
E como nossa cidade está escassa de eventos que mobilizem a população, o festival foi bem aceito e com certeza dará prosseguimento nos anos seguintes.

Acho que nossos secretários culturais, se tivermos algum, deveriam começar a trabalhar mais e realizar mais eventos culturais, pois somos um povo abençoado de criatividade e de recursos naturais favoráveis. Posso citar algumas idéias:

  • Se tivéssemos uma feira artesanal aberta, as pessoas poderiam expor suas criatividades, em bordados, pintura, costura, arte com frutas ou até aqueles com coquinhos, sabe? Poderíamos conhecer as mentes criativas que trabalham bem com a borracha reciclada de pneus, garrafas pet, latinhas e outras coisas. Temos pessoas mais velhas experientes em sua vida que fazem esse tipo de trabalho aqui na cidade e merecem um evento para apresentar sua arte para nós mesmos. Quem sabe nessa feira poderíamos até acrescentar os ótimos desenhistas que estão por aí desenhando em quadros, cadernos e deixando esquecidas suas artes sem um lugar para apresentar, grafiteiros que sofrem com a ignorância da sociedade que os confunde com 'pixadores', e não tem lugar para apresentar seus trabalhos. Que custo isso teria para nossa cidade? Nenhum absurdamente impossível de arcar. Precisaríamos apenas de um espaço (que temos vários na cidade), mesas, entre outras coisas.
  • Nós temos uma praça rica de história que sofre a degradação e o castigo do tempo e da natureza, onde percebemos que as administrações não ligam para nossa cultura realmente, vendo o deprimente estado dessa praça que já foi local de aconchego de tantas crianças e famílias. E se transformássemos ela na nossa 'Praça da Cultura', construindo em lugar de sua antiga quadra de areia um museu municipal onde conheceríamos mais sobre a nossa história, tendo já mesmo ali na praça o monumento em madeira onde está esculpido toda a história da formação da cidade. Mas tem que andar rápido, pois o monumento está apodrecendo.
  • E se nós tivéssemos espalhados pela cidade, enfeites e decorações que alegrasse nosso dia, deixando nossa cidade 'estância turística' mais agradável aos olhos, chamando a atenção dos visitantes para a história da cidade.
Estas são algumas das minhas idéias. Espero que tenha agradado a você que leu esse conteúdo até aqui. Deixe você também nos comentários a sua ideia para restaurarmos a cultura de Ouro Preto do Oeste.

Veja também:
Deixem os meninos empinarem, no local certo.

Deixem os meninos empinarem, no local certo.

Recentemente em nossa cidade (estância turística) tivemos uma operação policial, do estilo blitz, onde foram apreendidas várias motos juntamente com seus condutores na praça principal do município. Os policiais já vinham monitorando um grupo de jovens que praticavam direção perigosa nas ruas da cidade, principalmente nas noites de quarta-feira em frente a praça da Matriz, localizada no centro da cidade, próximo à feira municipal, onde acontece um evento municipalmente conhecido como Pastel.

Imagem da internet

Aquela área é ocupada por jovens que saem a noite para encontrar seus amigos, conversar, brincar, reunir a família galera e se divertir. Também circulam por alí famílias que saíram juntas a noite para saborear um delicioso pastel ou um açaí, acompanhada de suas pestes crianças.
Sim. Criança dá trabalho, atravessa a rua correndo do nada, faz escândalo e tudo mais. E na praça da matriz a noite não dá muito certo deixá-las descuidadas. Principalmente quando se tem jovens que gostam de empinar, aparecer para o público ali presente e, de vez em quando, dar uma ralada em suas costas e traseiros naquele asfalto.

Imagem da internet

Aquela operação gerou uma polêmica municipal discutida por várias pessoas, com várias opiniões diferentes, e em várias lugares. Seja em casa, no trabalho ou na internet, só se falava da blitz e das motocas presas. E pra completar, sobrou para as pessoas da internet que falaram mal, xingaram ou criticaram o trabalho da polícia nas redes sociais.

Onde parece ser uma terra sem lei, mas não é. Onde muitos escrevem o que querem, lêem o que não querem e consegue-se tretar bastante sobre um assunto. Aconselho terem mais cuidado, pois no dia seguinte um processo pode bater a sua porta, ou ser exposto publicamente se retratando por algo ofensivo direcionado à uma pessoa ou orgão.

Liberdade de exprêssão - Clique aqui para saber mais

Mas vamos agora a uma possível solução para os problemas de todos nós, onde deixarão muitas pessoas felizes e trará benefício e entretenimento para o município, a meu ver.

Realmente, em vias públicas, qualquer manobra que ponha em risco a segurança alheia caracteriza-se como direção perigosa:

Artigo 34 do Decreto Lei nº 3.688 de 03 de Outubro de 1941
Art. 34. Dirigir veículos na via pública, ou embarcações em águas públicas, pondo em perigo a segurança alheia:

Pena - prisão simples, de quinze das a três meses, ou multa, de trezentos mil réis a dois contos de réis.
Fonte: JusBrasil.com.br

Contra isso não há choro que livre. É parte da consciência de cada cidadão.
Tenho certeza que nenhum dos garotos que empinam gostariam de ter sua mamãe atropelada por um rapaz que se desequilibrou enquanto manobrava sua meiota sobre uma roda, e a atingiu enquanto ela voltava do IG com uma sacola cheia de compras, e perceber que seu iogurte estourou com o impacto. Seria muito trágico.
Então é bom pensarmos que existem várias mães, pais, irmãos de várias pessoas na rua, e que ninguém pode prever o imprevisível.

Mas a pergunta que eu e meus primos e primas estávamos questionando é?
- Mas havia um local para praticar manobras na área do ginásio municipal. O que aconteceu?

E a resposta é: - Não sei.

Realmente havia um local no complexo do módulo esportivo onde os jovens impinavam suas barulhentas, ralavam suas bundas, e a sociedade não tinha nada a temer e a ver com aquilo. Mas por algum motivo de força maior aquele local foi fechado e os rapazes não puderam mais brincar ali.

Mas porque fecharam? .. Vai saber né.. Só Jesus pra entender essa nossa prefeitura e a nossa querida promotora Dra. Alba da Silva Lima. Porque tudo que acontece de estranho na nossa cidade é atribuído a ela. Não sei se é verdade, mas dizem que é. (risos)

Visto expulsos do local onde se divertiam e se ralavam pra passar merthiolate em casa, ficaram sem rumo igual cachorro sem dono. E para onde vai um cachorro sem dono e sem quintal? .. Sim meu amigo, para a rua (com todo respeito rapazes, não estou chamando vocês de cachorro.. É nóis truta). Então não culpe os garotos, culpe os responsáveis por tirarem o seu playgroud ou parquinho pra você entender melhor.

Contudo, vejamos uma solução.

Se a secretaria de esportes está vendo o interesse dos meninos em praticar manobras perigosas e intrigantes, se eles vêem pessoas apaixonadas por motos se arriscando nas ruas da cidade, que gostam de se exibir, chamar atenção do público e das gatas maria duas rodas, se nossa cidade está uma paradeira total sem cultura ou animação para nada mesmo tendo o falso título de estância turística, porque não criam eventos de rua para entreter a cidade, divulgar o talento dos garotos e criar movimento pra essa nossa Ouro Preto que está mais para ser do "Velho Oeste"?
Será que não temos verbas na secretaria de esportes?
Se não temos verbas para criação de eventos envolvidos com o esporte e cultura, para onde está indo esse dinheiro?

Imagem da internet

Não estou questionando a autenticidade da existência dessa verba ou de estar sendo desviado para outros fins, mas como cidadão e desportista da cidade, e principalmente como alguém que gostaria de ver esta cidade crescer e seu um lugar melhor para todos, eu desejo muito saber porque nada é feito para benefício do esporte, cultura e lazer deste município. Algo que já está esquecido a muito tempo.

Imagem da internet

Mas como um legítimo ouropretense do oeste de coração, filho da terra, eu acredito que tudo terá uma resolução e que nossa administração atual e competente trará uma solução rápida para isso. E chegando esta postagem até seus olhos, eles analisarão as opiniões aqui mostradas e apresentarão também seus pontos de vista para uma solução rápida e fácil. Reconstruindo assim a paz entre os praticantes da modalidade motociclística e as autoridades municipais.


Lembrando que para todo problema há solução.

Apresente seu ponto de vista e comente a publicação.
Se concorda ou descorda de algo, gostaria muito de conhecer sua opinião.
Compartilhe nas redes sociais nos botões abaixo:

Praça dos Imigrantes - História da cidade que não pode se perder

Praça dos Imigrantes - História da cidade que não pode se perder

A nossa cidade é uma cidade muito nova se comparada com as grandes cidades do Brasil, mas não deixa de ter uma boa história para contar para às gerações futuras.

Nossa história está em nossos rios, linhas, monumentos, montanhas, bairros e praças. Principalmente a Praça dos Imigrantes, localizada na rua Ana Nery, nos fundos do Irmãos Gonçalves e em frente a Móveis Gazin.

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal


Uma das mais antigas, senão a mais antiga, das praças de nossa cidade. Ela contém e conserva ainda as calçadas originais, hoje bem danificadas, seus traços traduzem a primitiva arquitetura do início da nossa cidade, e também possui o mais precioso monumento a história de Ouro Preto do Oeste, considerado por mim um dos mais importantes da nossa cidade.

A tora erguida no centro da praça conta a história de nossa colonização, desbravamento, divisão, de onde vieram os povos, entre outras coisas. Tudo desenhado e esculpido em madeira.

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal


Mas infelizmente o tempo passa e tanto a praça quanto o monumento estão bem danificados, necessitando de restauração para que não percamos os contadores mudos de nossa história. Aquela praça necessita urgentemente ser recuperada. Precisar de um olhar especial, tanto da administração para restaurar, quanto da população para cobrar essa restauração, pois ela faz parte da nossa cultura, da nossa história e do nosso turismo.

Aquela praça constantemente fica abandonada, com lixo espalhado e o mato crescendo descontrolado. Vez e outra a prefeitura faz uma limpeza, mas recuperar aquele bem precioso, nada!

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal

Foto: Praça dos Imigrantes Ouro Preto do Oeste/Arquivo Pessoal


Local de repouso para várias pessoas que ali perto trabalham ou que estão na rua para passeio por ter suas belíssimas árvores e uma sombra fresquinha. Ela merecia uma melhor atenção.
Obrigado por ler até aqui.
Por favor, comente.

E se você tem boas lembranças, um certo amor por aquela praça ou quer ver uma cidade mais limpa, linda e organizada, compartilhe essa postagem nas redes sociais.